As crianças daqui…

“Causos” rapidinhos sobre as crianças daqui…

“Causo” 1: Estava eu caminhando para buscar o Pimpolho na creche quando uma menino de mais ou menos 10 anos me para na rua para pedir informação. Em alemão, ele pergunta:

– Onde fica a estação de trem?

Opa, pergunta fácil. Adoro quando alguém me pergunta algo pelas ruas e eu consigo entender e ajudar. Me sinto A TAL (mesmo não tendo nenhuma razão linguística para isto… eh o EGO gente… o tal do EGO…). Enfim, indico com os braços e com o meu alemão pobre e podre a direção (eu disse que não tinha razão linguística para me sentir a tal…). Ele continua andando ao meu lado já que eu também estava indo para a mesma direção. Depois de alguns metros ele deveria atravessar a rua e eu deveria continuar. Óbvio que me atrapalhei para explicar isto para ele… Eis que ele então percebe a minha ignorancia linguistica dificuldade e então começa a falar em um inglês perfeito comigo. Ufa! Que bom humilhante!

“Causo” 2: Em um restaurante na cidade alemã de Lorrach (cidade que faz fronteira com Basel). Pimpolho não consegue mais se comportar como gente na mesa e então resolvo leva-lo para o parquinho que tem dentro do restaurante. Chegando lá me deparo com 3 crianças de mais ou menos 6, 9 e 12 anos de idade. Todas se encantam pelo Pimpolho (sim, ele eh encantador e eu sou mãe coruja…) e começam a puxar conversa comigo. Puxar conversa em alemão, né… Ok, lá vamos nos…

– Como ele se chama?

Opa, essa eh fácil, entendi e respondi.

– Quantos anos ele tem?

Opa, fácil também. Da para responder.

– Do que ele gosta de brincar?

Oops, primeira “engasgada”… resolvo logo aceitar mais uma vez a humilhacao assumir que não sei falar alemão direito e aviso para elas sobre a minha incompetência linguística.

Elas sorriem e começam a falar inglês comigo. Simples assim…

9

Suíços versus Alemães

Ontem eu precisei me encontrar com um corretor de imóveis aqui em Basel. Desde do primeiro dia que falei com ele eu tinha tido a impressão que ele era gente boa (característica não muito fácil de identificar nos suíços, na minha opinião…). Mas ele sempre manteve um ar muito sério e então eu fiquei na minha. Finalmente ontem, depois de assinarmos o contrato de aluguel, ele se mostrou mais sorridente e “aberto” para bater um papinho comigo. Ele começou assim:

– Você disse que eh brasileira , né?

– Sim, eu sou.

– E você gosta de Basel?

Eu, pensando que aquele moço loiro de olhos super azuis poderia ser um suíço-gente-boa (aqui nunca se sabe com certeza quem eh suíço, quem eh alemão, quem eh austríaco, etc, já tive muitas surpresas…), não quis assusta-lo e então respondi assim:

– No verão eh mais fácil gostar de Basel. No inverno eh mais difícil…

E ele insistiu:

– E das pessoas daqui? Você gosta?

Eu ainda com receio dele ser um suíço-gente-boa, tentei escapar da pergunta assim:

– As pessoas aqui são bem diferente das pessoas no Brasil. No Brasil nos somos mais abertos para amizades, por exemplo.

E ele, quase rindo da minha cara de quem estava literalmente “medindo as palavras”:

– Eh, eu imaginei que para você deveria ser difícil porque para mim que sou alemão também eh!

E continuou:

– Antes de sair da Alemanha eu pensava que não existiam no mundo pessoas mais fechadas e certinhas que nos, mas agora eu sei que os suíços são.

E então ele me contou casos e mais casos de como os alemães normalmente não são bem vindos na Suíça e o quanto foi difícil para ele morar aqui… tanto que ele decidiu voltar para Alemanha e todos os dias pega um trem de 1.5horas para vir trabalhar…

Eu já tinha ouvido falar desta certa “rivalidade” dos suíços com os alemães (não sei se isto eh reciproco, tenho a impressão que não…). Também já tinha ouvido falar sobre a dificuldade de um alemão se sentir “em casa” aqui no cantão do norte (onde o idioma oficial eh o alemão). Isto me surpreendeu no inicio pois eu esperava que para eles, os alemães, a adaptação fosse mais fácil que para mim, por exemplo, que não falo a língua. Pelo jeito eu estava enganada. Segundo o meu mais novo “colega alemão”, como eles falam o alemão corretamente e não o(s) dialeto(s) suíços, são vistos como esnobes pelos suíços. Além disso, ainda segundo ele, os alemães tem melhor formação acadêmica que os suíços e, portanto, garantem os melhores cargos nas empresas aqui instaladas.

suica alemanha

Eu fui pesquisar um pouco sobre o assunto e encontrei duas reportagens interessantes (infelizmente só encontrei em inglês…). Mas, para mim, elas parecem comprovar que o meu “colega alemão” tem razão no que disse.

http://www.dw.de/how-many-germans-can-switzerland-take/a-2366987-1

http://www.swissinfo.ch/eng/culture/Germans_in_Switzerland:_so_near,_and_yet_so_far.html?cid=33074768

PS: finalmente descobri um botãozinho que faz correção ortográfica para o português! Vivendo e aprendendo! Agora posso tentar escrever corretamente a nossa amada língua portuguesa mesmo sem ter opções no meu teclado. 🙂