Cora Coralina – Não sei

Não sei

Não sei…
se a vida é curta
ou longa demais para nós.

Mas sei que nada do que vivemos
tem sentido,
se não tocarmos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
colo que acolhe,
braço que envolve,
palavra que conforta,
silêncio que respeita,
alegria que contagia,
lágrima que corre,
olhar que sacia,
amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo:
é o que dá sentido à vida.

É o que faz com que ela
não seja nem curta,
nem longa demais,
mas que seja intensa,
verdadeira e pura…
enquanto durar.

Ferias

Eu me lembro que quando era adolescente tinha muita preguica dos finais de semana porque eram dias em que nao se fazia nada. A gente morava, minha familia ainda mora, em um bairro longe de tudo, com nenhuma atracao cultural, uma pracinha toda cimentada e sem arvores, um parque florestal enorme ao lado de casa onde era e ainda eh muito perigoso passear. Quando crianca, passavamos os finais de semana em casa ou na rua de casa e pronto. E eu achava os finais de semana muito longos… Depois cresci e fui morar em outra cidade. Comecei a trabalhar e continuei achando os finais de semana muito longos… Achava que ficava muito a toa. Cheguei a pensar em dispensar a diarista que limpava meu apartamento uma vez por semana para ter mais atividade no final de semana. Adoro fazer uma faxina! Mas fiquei com pena dela que precisava daquele trabalho. Inventei cursos para fazer nos finais de semana e então consegui me livrar da sensação de estar “perdendo tempo” nos finais de semana. Quando me mudei para a Suíça, sem amigos, sem familia e no inverno, os finais de semana eram o meu pesadelo! Sair no frio de zero graus para passear e conhecer a cidade era, para mim, um programa de indio sem tamanho. Ficar no apartamento de um quarto olhando internet era outro programa de indio sem tamanho. Ja sem diarista, limpava o apartamento em duas horinhas e pronto: ja estava a toa novamente. Cansava de dormir e ler e rezava para a segunda feira chegar. Agora nao tenho do que reclamar. Nao tenho tempo para ficar a toa. Nem mesmo um minutinho. Trabalho, cozinho, lavo, limpo, junto brinquedos espalhados pelo chao, busco na escola, educo, dou banho, etc e tal… meus finais de semana sao tao cheios que nao sinto mais falta da segunda feira. Agora meus dias de “a toa” foram reduzidos e mudaram de endereço. Se chamam Ferias! Estou em um paraíso! Comida boa, casa linda (apesar da quantidade de pernilongos), mar com agua morna, pessoas legais etc e tal. Ainda nao estamos nem na metade das ferias e eu ja me sinto descansada e recarregada o suficiente para voltar. Gosto de estar aqui mas nao gosto da sensação de ter colocado a minha vida em “stand by”. Sim, eu sei que eh importante relaxar, dar um tempo porque no final a vida eh capaz de andar por si so. Mas eh que sou daquelas que pensa que ” todo amor eh sagrado e o fruto do trabalho eh mais que sagrado, meu amor”. Nao me refiro necessariamente a trabalho para ganhar dinheiro. Me refiro a fazer coisas úteis, a aprender, estudar, investigar, organizar-se. Comer e dormir me cansam muito! 🙂 Segue a trilha sonora que embalou este post… http://letras.com/beto-guedes/44530/

Todo o tempo do mundo

Não que eu seja assim tão inocente para pensar que existe lugares onde nada de ruim acontece. Mas também não posso ser tão cruel a ponto de negar que em alguns lugares a vida passa mais lentamente… Ou talvez seja somente a liberdade que os tão sonhados dias de férias nos dão… O fato eh que: chegar de férias em uma vilazinha pacata na Itália, já depois da euforia das férias escolares de agosto, e então se misturar ao dia a dia tranquilo dos moradores, pode ser como um sonho dourado para qualquer pessoa que está sujeita a correria do dia a dia de cidades maiores. E eh também para mim! Mas vocês já perceberam o quanto eh difícil desacelerar??? Pois eh… Eu me vi incrivelmente irritada com o Pimpolho nos primeiros dias que aqui cheguei. Me irritava que ele não andasse rápido e quisesse parar para ver cada florzinha, cada formiguinha, cada carro e pessoa que passava e gentilmente acenava para ele. Até que me dei conta, depois de 2 ou 3 dias de que o meu Pimpolho tinha toda a razão e eu estava ali perdendo a oportunidade de mais uma vez aprender uma grande lição com ele. A lição de ter tempo para observar os pequenos detalhes! E foi assim que descobri que tem um caminho de formigas na varanda, que a rua da igreja não passa carro, que tem muitos buraquinhos nas paredes das casas, que tem poucos pombos pela cidade mas em compensação muitos cachorros, que as pessoas sempre nos cumprimentam e são mais gentis com as crianças do que em Basel, de que eu podia deixá-lo caminhar livremente por várias ruas, que as bicicletas param quando percebem que tem uma criança indecisa no meio da rua e o ciclista ainda brinca com a criança, e etc e tal. Foi assim que aprendi que estar de férias eh não precisar ir correndo ao supermercado e se ficar tarde então podemos inventar outra coisa para comer. Estar de férias eh mais do que fazer algo diferente, eh acima de tudo ter tempo para ser diferente, para experimentar um modo diferente de viver e então, porque não, levar ao menos um pouco disto para o nosso dia a dia. Estar de férias eh ter tempo de parar para ver este por do sol mesmo com o filho pingando de sono no colo e saber que estar abraçada com o Pimpolho não tem preço. O banho dele? Fica para amanhã… O jantar? Pode ser mais tarde… Os emails? Não precisam ser lidos hoje… O telejornal? Serve para que mesmo? Estamos de férias! 😉

IMG_4459.JPG

IMG_4454.JPG

IMG_4404.JPG

IMG_4415.JPG

Família

Quando o irmão caçula da gente faz 33 anos eh sinal de que já não somos mais tão novinhos assim…

Talvez seja por isto que hoje estou aqui, assim… pensando no tempo e em como ele passa rápido e em como só percebemos isto em alguns breves momentos das nossas vidas… em como seria bom ter o poder de congelar os momentos de alegria, os momentos em que nossos corações estão leves, o sorriso invade nossos lábios e a tranquilidade reina em nossas mentes. Se pararmos para pensar, e agradecer, veremos que não foram e não são poucos estes momentos.

Eu tenho 3 irmãos e 2 irmãs. Isso mesmo. Somos em 6! Família grande, enorme por sinal. Como dizem meus amigos paulistas, em Minas todo mundo eh primo de todo mundo. E eh mesmo. Então, se contarmos os primos, tios, tias, cunhados, cunhadas, sobrinhos, sobrinhas e agregados, eh gente que não acaba mais. Graças a Deus! E foi, e eh, com essas pessoas que passei e ainda passo momentos especiais da minha vida. Momentos que eu gostaria de congelar. Outros que eu gostaria de deletar, esquecer, refazer. Mas a vida eh assim: cheia de mistérios bons e ruins. E eh por isto que eu estou contando os dias, as horas, os minutos para rever a minha família. Chega logo ferias!!! Chega logo porque eu tenho abraços atrasados de feliz aniversario para dar em 5 irmãos. Tenho uma sobrinha linda e fofinha de 9 meses para conhecer. Tenho outra sobrinha que nascera justamente no dia em que chegaremos ao Brasil, quer recepção maior? Tenho meus sobrinhos que não param de crescer e me surpreender e que são as coisinhas mais lindas desse mundo. Tenho tias, tios e dezenas de primos e primas queridos para rever e ficar perto nem que seja por umas horinhas. Tenho minha mãe para rever e aproveitar cada minutinho que tiver ao lado dela. Tenho cunhadas e cunhados para bater papo e compartilhar momentos bons. Tenho que mostrar todo mundo para meu Pimpolho e explicar para ele que a família do “skype” eh de verdade e não virtual. Tenho certeza que momentos especiais nos esperam e eh por isto que eu não me canso de pedir: “chega logo ferias!!!” 🙂

Ao meu maninho caçula fica ai o meu abraço virtual. Mas oh, eh por enquanto! O abraço de verdade chegara em algumas semaninhas. Aguarde e verás, ou melhor, abraçarás.

E para celebrar, nada melhor que a conhecidíssima canção do Titãs: http://letras.mus.br/titas/48973/

Ou a linda canção poética dos Los Hermanos: http://www.youtube.com/watch?v=ZXYJ36wSoGs&list=PLeeY96vzpvq2QyV5atkb6A6S2G9MHOIJu