Pra quem é mãe…

Tem coisa melhor que ver o filho da gente feliz porque aprendeu algo novo e ultrapassou limites?
Tem coisa melhor que ver o sorriso de alegria do filho que fez uma amizade nova com outra criança ?
Tem coisa melhor que ver o filho enfrentando obstáculos, crescendo e amadurecendo?
Tem coisa melhor que perceber que, apesar de não acertarmos sempre como pais, tomamos decisões que fazem com que o filho se sinta mais seguro e confiante?
Tem coisa melhor que conseguir mostrar para o filho que os medos são só nossos e não precisam ser dele?
Tem coisa melhor que ver aquele pequeno ser se esforçando a cada dia e não tendo que receber tudo de mão beijada?
Tem coisa melhor que perceber que alguém confia integralmente em vc?
Tem coisa melhor que passar os seus valores para o seu filho e deixar que ele decida se os quer também para ele?

Tem muitas coisas boas nessa vida, minha gente… muitas mesmo. E ser mãe é  (só) uma delas… 🙂

image

Pensamento do dia

Pois bem, minha gente…
O dia estava todo programado, organizado,  cronometrado. Tudo meticulosamente pensado por uma virginiana que, de tempos em tempos, tem a pretensão de prever o futuro e deixar tudo organizado a espera do mesmo. Como se as surpresas e imprevisibilidade não fossem parte constante dessa vida e desse mundo que gira cada vez mais rápido.
Digamos que esta virginiana pudesse ser considerada bem sucedida nos seus “poderes” quase paranormais de prever o futuro e se preparar para ele. Sim, minha gente. Isso funcionava bem até  um tempo atrás.
Até um tempo atrás as férias podiam ser planejadas sem grandes possibilidades de cancelamento, de serem modificadas, transferidas. Os dias eram planejados entre atividades como: acordar, trabalhar, estudar, ver amigos, me alimentar calmamente, praticar yoga e principalmente… dormir 8 horas ininterruptamente!  Dava para planejar minhas noites de sono, minha gente! Os finais de semana eram dias de liberdade e também podiam ser facilmente planejados. Ahh, bons tempos…
Pois hoje estou eu aqui, cancelando, alterando, transferindo os planos do meu dia que estava meticulosamente planejado para… “quando der”. Essa nao foi a primeira vez e, com certeza, nao sera a ultima. Depois de uma curta noite de 5horas de sono com interrupções constantes por gemidinhos de alguém que estava com febre. Esse mesmo alguém, conhecido por vocês como Pimpolho, teve frebre alta as 7 da manhã… o que me obrigou a não levá -lo para a creche. Pois agora, depois de medicado a algumas horas atras, ele já está ótimo! Pulando pela sala, me convidando para brincar de homem aranha e de tubarão,  calçando meus sapatos e gargalhando com isso, me chamando a casa 5 minutos só para conferir se estou prestando atenção a ele. Pode ser até  a febre volte,  mas eu não  apostaria nisso…
Sim, assim como o motivo de tantas mês,  esse é o meu também.  Motivo transformador que nos faz ter o super poder de estar sempre disposta a encarar a obrigacao de se reprogramar. Mais que um motivo, minha gente, um aprendizado. Uma transformação interior. Um exercicio de paciencia e de definicao de prioridades, e ate de humildade.
Para ser mãe é preciso se transformar, se adaptar, se reprogramar. Constantemente. . .

image

Para as mamaes que trabalham em casa

Quando eu digo que trabalho em casa para outras mães, imediatamente ouço os suspiros e as seguintes frases:

” – Ah! Que delicia!”

” – Ahhh! Nossa, meu sonho!”

” – Que boa ideia! Como posso fazer isto também?”

” – Que sorte!!”

E por ai vai…

Acho mesmo que eh um privilegio trabalhar em casa. Mas acho também que isto exige muita auto disciplina. Para vcs terem uma ideia eu me sinto mais exausta trabalhando em casa do que quando trabalhava em um escritório. Eh que, enquanto trabalho, coloco a roupa para lavar, coloco o feijão no fogo, etc e tal. Enquanto espero a resposta de algum email, varro a casa, dou uma ajeitada no banheiro, corto verduras para o jantar. Além disso preparo meu próprio almoço pensando sempre em algo saudável e rápido. Tarefa nem sempre fácil de manter. Como rapidinho e muitas vezes aproveito o horário para ir ao correio, pagar alguma conta ou ir ao mercado. Tenho a vantagem de ter muita flexibilidade e a desvantagem de não ter horário fixo. Isso significa que as vezes preciso trabalhar a noite, depois que o Pimpolho dorme… Nada eh perfeito… Ah! E tem aqueles dias que o Pimpolho esta doentinho ou eh feriado mas eu preciso trabalhar, ou achei melhor que ele ficasse em casa… Dai, meus amigos… melhor que explicar eh assistir a este vídeo que achei.

Para as mamães que trabalham em casa: Boa sorte! “Tamo junto!”

Mc Donald X Pato Donald

Estavamos eu e Marido conversando enquanto o Pimpolho brincava aparentemente alheio aos nossos assuntos.

A conversa era sobre manifestacoes de rua em que vimos  pessoas agressivamente criticando quem gostasse de comer no Mc Donald e demais fast foods. Ficamos meio sem entender toda aquela agressividade. Nao por gostarmos do Mc Donald e outros fast foods mas por acharmos desnecessario argumentos agressivos como aqueles. Enfim, no final da conversa, eu, ja cansada, solto esta exclamacao:

“- Ai gente, que preguica. Deixa quem quiser comer no Mc Donald em paz…”

E o Pimpolho, na sua fase “repete-tudo” e sem nunca nem mesmo ter sentido o cheiro do Mc Donald, para de brincar por um minuto, vira pra gente com cara de quem perdeu a paciencia e solta:

” – Ai gente, deixa o Pato Donald em paz!”

Rimos bicas!

Sobre como nos locomovemos em Basel

Estorinha 1: A bicicleta!

Algumas semanas atras o Pimpolho ganhou a sua primeira bicicleta. Quando a viu pela primeira vez, ele, no auge da sua felicidade e sabedoria, disse embolando as letras e palavras:

” Bilieta, papai! Bilieta, mamae!”

E entao explicamos que era um presente para ele e que ele poderia andar com ela. Foi entao que ele pegou o capacete, colocou na cabeca, pegou a bicicleta e falou:

“Agola “Pimpolho” vai trabaia!”

Fez uma cara seria e saiu… rumo ao seu trabalho imaginario…

Moral da estoria: todas as manhas saimos com nossas bicicletas para o trabalho. Portanto, na cabecinha logica do nosso Pimpolho a bicicleta eh um veiculo que nos transporta ao trabalho.

Estorinha 2: O carro!

Alguns finais de semana atras marcamos de visitar um amigo que mora um pouco distante de Basel. Como nao temos carro, reservamos o servico de “car sharing” (carro compartilhado) que usamos aqui na Suica. Foi entao que o papai chegou em casa dirigindo o carro e o Pimpolho ja sabia que aquele dia era dia de PASSEAR.

Moral da estoria: aqui em Basel somente usamos carro quando precisamos sair da cidade. Isso significa que carro para o Pimpolho eh um acontecimento muito especial e sinonimo de viagem.

carro X bicicleta - Google Search_2015-04-16_15-05-17

PS: este eh o motivo de estarmos super sarados, lindos e ricos aqui em casa! hahahaha

Todo o tempo do mundo

Não que eu seja assim tão inocente para pensar que existe lugares onde nada de ruim acontece. Mas também não posso ser tão cruel a ponto de negar que em alguns lugares a vida passa mais lentamente… Ou talvez seja somente a liberdade que os tão sonhados dias de férias nos dão… O fato eh que: chegar de férias em uma vilazinha pacata na Itália, já depois da euforia das férias escolares de agosto, e então se misturar ao dia a dia tranquilo dos moradores, pode ser como um sonho dourado para qualquer pessoa que está sujeita a correria do dia a dia de cidades maiores. E eh também para mim! Mas vocês já perceberam o quanto eh difícil desacelerar??? Pois eh… Eu me vi incrivelmente irritada com o Pimpolho nos primeiros dias que aqui cheguei. Me irritava que ele não andasse rápido e quisesse parar para ver cada florzinha, cada formiguinha, cada carro e pessoa que passava e gentilmente acenava para ele. Até que me dei conta, depois de 2 ou 3 dias de que o meu Pimpolho tinha toda a razão e eu estava ali perdendo a oportunidade de mais uma vez aprender uma grande lição com ele. A lição de ter tempo para observar os pequenos detalhes! E foi assim que descobri que tem um caminho de formigas na varanda, que a rua da igreja não passa carro, que tem muitos buraquinhos nas paredes das casas, que tem poucos pombos pela cidade mas em compensação muitos cachorros, que as pessoas sempre nos cumprimentam e são mais gentis com as crianças do que em Basel, de que eu podia deixá-lo caminhar livremente por várias ruas, que as bicicletas param quando percebem que tem uma criança indecisa no meio da rua e o ciclista ainda brinca com a criança, e etc e tal. Foi assim que aprendi que estar de férias eh não precisar ir correndo ao supermercado e se ficar tarde então podemos inventar outra coisa para comer. Estar de férias eh mais do que fazer algo diferente, eh acima de tudo ter tempo para ser diferente, para experimentar um modo diferente de viver e então, porque não, levar ao menos um pouco disto para o nosso dia a dia. Estar de férias eh ter tempo de parar para ver este por do sol mesmo com o filho pingando de sono no colo e saber que estar abraçada com o Pimpolho não tem preço. O banho dele? Fica para amanhã… O jantar? Pode ser mais tarde… Os emails? Não precisam ser lidos hoje… O telejornal? Serve para que mesmo? Estamos de férias! 😉

IMG_4459.JPG

IMG_4454.JPG

IMG_4404.JPG

IMG_4415.JPG

Pensamento do dia: a “divida” do Pimpolho

Eu me arrisco a dizer que os já incontáveis fios de cabelos brancos que atualmente vejo no espelho surgiram nos últimos doze meses…

o que me faz pensar que então eles estão direta ou indiretamente ligados ao Pimpolho!

Então filhinho, fica para você este recado: “Você já me deve varias caixas de tintura para cabelo, além de uma plástica na barriga e no peito (que eu nunca terei coragem de fazer mas resolvi “cobrar” mesmo assim), além de um tratamento de sono durante 1 ano num spa (de preferência bem longe da Suíça!)”

E ele: “coicoi, du ba diba go ba lo?” – o que na sua linguagem quer dizer: “Mas como farei para pagar esta divida mamãe?”

E eu:  Sendo feliz, meu filho. Sendo absurdamente FELIZ! 😉