Data de vencimento

Ja desconfiava. Mas agora tenho certeza. Minha saudade do Brasil tem data de vencimento. Ela eh suportável por, no máximo, 12 longos meses. Dentro dos quais tenho varias “suportáveis” recaídas. Daquelas que se “curam” com um almocinho de arroz com feijão, uma colherada de doce de leite ou vários brigadeiros. Daquelas que “passam” e são “esquecidas” com rádio tocando alto um sambinha, pagode, musica caipira, MPB ou qualquer som que toque a minha brasilidade. Sabe do que estou falando? Aquela recaída que “melhora” com 15 minutinhos no Skype com a família, ou algumas mensagens no WhatsApp. Isso tudo funciona bem, desde que dentro do prazo de validade! Que como já disse… expira em, no máximo, 12 longos meses (as vezes, muitas vezes, menos)…

Mas e depois disso, minha gente? Depois da data de vencimento da saudade, a gente faz o que? Me diga!

Eu por exemplo, já apelei ate para a canjica! Sabe aquela canjica de festa junina? Cremosinha? Com leite de coco? Pois bem, a danada da saudade apertou foi mais!

Depois dos prazo de validade, ainda não encontrei nada que me desse um certo alivio, um calorzinho no peito, um aconchego… Muito pelo contrario, os antídotos usados durante o prazo de validade, atuam agora como geradores de mais saudade. Na esperança de achar uma solução, tenho usado vários antídotos ao mesmo tempo: como arroz com feijão, escutando musica brasileira, bebendo suco de abacaxi com hortelã, enquanto o doce de leite me espera na geladeira. Funciona? Funciona nada. Da eh mais saudade! Coloco musica brasileira pra tocar e danço com o Pimpolho enquanto ensino para ele que eh musica do Brasil. Funciona? Funciona nada. Da eh mais saudade!

Acho que o que me cabe agora, eh esperar pelo santo dia de pisar em terras minhas. Data ainda indefinida por vários fatores pessoais, familiares, profissionais e ate “mosquitais” (era só o que me faltava…). Ate lá vou curtindo minha saudade com doses diárias de discretas gotinhas de lágrima nos olhos, aperto no peito e nozinho na garganta…

“Yo no sé de dónde soy,
mi casa está en la frontera
Y las fronteras se mueven,
como las banderas.
y si hay amor, me dijeron,
toda distancia se salva. “ – Jorge Drexler, Frontera.

 

Voce tem saudades?

Outro dia uma senhora brasileira que mora aqui há muitos anos veio conversar comigo. Ela me identificou como brasileira depois que o Pimpolho disparou a falar portugues bem alto em uma loja. Ela veio toda animada elogiando o português dele que eh fluente e “perfeito” para a idade dele, eh claro! Ja a senhora, depois de tantos anos aqui já não falava mais português bem. Tinha dificuldade em encontrar as palavras e misturava a frase com algumas palavras em alemão. Conversamos um pouco e após ouvir calmamente a opiniao “um tanto quanto absurda e fantasiosa” desta senhora sobre a  situação política do Brasil (não vou entrar em detalhes), ela concluiu a conversa com a seguinte frase:

“- Não da para sentir saudades de lá, da?”

Da sim, minha senhora! Como eh que eu não vou sentir saudades do meu pais e da minha Minas Gerais? Me diz, como?

Lugares de Minas_2015-12-15_19-13-41

 

A BH que a gente gosta de ver.

Preciso confessar que nunca fui super fa de BH, apesar de ter nascido la. Digamos que: eu nao “amo BH radicalmente” (quem eh de la vai entender)…

Mas tambem preciso confessar que sou completamente apaixonada por Minas Gerais! E BH… Bom, BH eh a capital, ne? E so por isto tem la o seu grande valor.

Esse eh o video mais fofo que ja vi de BH!!! Deu foi saudade! 🙂

E para quem quiser saber mais sobre BH, achei essa pagina (tambem fofa) no facebook: https://www.facebook.com/tonsdebh

Pensamento do Dia: Lisbela :-)

Lisbela

Los Hermanos

Eu quero a sina de um artista de cinema
Eu quero a cena onde eu possa brilhar
Um brilho intenso, um desejo, eu quero um beijo
Um beijo imenso, onde eu possa me afogar

Eu quero ser o matador das cinco estrelas
Eu quero ser o Bruce Lee do Maranhão
A Patativa do Norte, eu quero a sorte
Eu quero a sorte de um chofer de caminhão

Pra me danar por essa estrada, mundo afora, ir embora
Sem sair do meu lugar
Pra me danar, por essa estrada, mundo afora, ir embora
Sem sair do meu lugar

Ser o primeiro, ser o rei, eu quero um sonho
Moça donzela, mulher, dama, ilusão
Na minha vida tudo vira brincadeira
A matinê verdadeira, domingo e televisão

Eu quero um beijo de cinema americano
Fechar os olhos, fugir do perigo
Matar bandido, prender ladrão
A minha vida vai virar novela

Eu quero amor, eu quero amar
Eu quero o amor de Lisbela
Eu quero o mar e o sertão

Eu quero amor, eu quero amar
Eu quero o amor de Lisbela
Eu quero o mar e o sertão

Em Basel tambem tem arco-íris!

Ja faz algum tempo que descobri que me encantava por arco-íris. Foi em uma viagem para o Uruguai. Mais especificamente estávamos saindo da Casapueblo em Punta del este. Era final de tarde. O lugar eh mágico e encantador. éramos um grupo de 6 amigos. Sabe aquela viagem que vc guarda com carinho porque foi divertidíssima e maravilhosa? Aquela viagem em que mesmo as coisas não programadas caem bem e se tornam divertidas? Pois…

Enfim, visitamos a Casapueblo e saímos de lá meio em êxtase com a beleza da paisagem e do lugar. Fizemos uma parte da estrada a pé ate chegarmos a rodovia principal que era movimentadíssima e perigosa por causa de uma curva que nos tirava a visibilidade. Não sabíamos bem como voltaríamos para nosso albergue. Tinham nos falado que havia um ponto de ônibus bem próximo. Não o encontramos… Não sabíamos em que direção deveríamos seguir… direita ou esquerda? Vimos vários ônibus passando mas não tínhamos ideia de como e onde eles parariam naquela rodovia…

Resolvemos então escolher uma das direções e seguir. Eis que me deparo com um arco-íris ENORME no céu, talvez a cena mais bonita que já vi. O por do sol, o oceano e um arco-íris perfeito com começo, meio e fim! Achei aquilo incrível! Tão incrível que queria que todos os meus amigos tivessem aquela sensação que eu estava tendo naquele momento. Olhei para o lado e vi que alguns deles também estavam encantados pelo cenário de filme que estava na nossa frente. Porem, dois dos meus amigos não estavam ali e, vejam bem, estavam perdendo aquele momento mágico e maravilhoso! Olhei para traz e vi que eles tinham atravessado a rodovia provavelmente em busca de informação. Não tive duvida! Gritei, gritei, acenei como louca e pedi para que eles voltassem. Eles vieram correndo atravessaram novamente a rodovia perigosa, pararam ao meu lado ofegantes e perguntaram:

“- Cade o ônibus?

E eu: “- Que ônibus?”

E eles: “Você não gritou porque o ônibus estava chegando?”

E eu: “Não… Eu queria que vcs vissem este por do sol maravilhoso. Vcs já viram um por do sol com arco-íris? Eu nunca tinha visto. Olha que coisa maravilhosa!”

Juro que não fiz de sacanagem. Juro que o que queria era que eles tivessem a oportunidade de contemplar aquela cena perfeita. Juro que minhas intenções eram as melhores possíveis. So não entendo porque diabos eles queriam me matar depois daquilo e isso gerou varias risadas no restante dos dias da nossa viagem. 🙂

O lado bom? Agora, toda vez que vejo um arco-íris eu me lembro desses amigos tão queridos e me lembro daquela viagem maravilhosa. Tenho certeza que o mesmo acontece com eles (assim espero!).

E foi em tudo isso que pensei quando este arco-íris maravilhoso apareceu em frente de casa, aqui em Basel, ontem! Porque nao ha limites de tempo ou distancia para os bons pensamentos, as boas energias e as boas lembranças. Aos amigos, Namastê!

IMG_4201